terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Estranhezas!

Hoje, fruto de alguma disponibilidade, e uma dose razoável de paciência, resolvi dar uma espreitadela ao que se passa neste mundinho chamado Internet: notícias, blogues e quejandos.

Até aqui, tudo bem.
Tudo bem, ou tudo mal, depende da perspetiva.
As notícias respeitam a regra primeira do "quanto pior melhor", logo, como objectivo é o número de visualizações e de comentários, estamos conversados.  

É o marido que mata a mulher; é o acidente que vitima não sei quantos; é a rapariga que é violada mas que, em simultâneo, telefona à amiga a contar o que está a acontecer por forma a alertar a polícia.(?!)
É o casal que tinha acorrentados 13 filhos, é.... 
É um susto este nosso mundinho, mas ó que susto. 
Até aqui, DESGRAÇADAMENTE, nada de novo. Vivemos num mundo completamente ensandecido, cada vez mais e mais.

Mas o que também surpreende é outro aspecto.


Fonte: Google

Algum de vós me sabe dizer se o país fechou para obras?
Algum de vós me sabe dizer como é que há tantas - mas tantas uma vez mais -, tantas pessoas a comentar?
E comentam. E opinam. E sugerem. E dizem/escrevem enormidades. 

As pessoas não têm vida para além disto? Que vidas são estas? É que não há aqui interesse em estar informado, não, nada disso. Há é a intenção de bater mais e mais, muitas vezes sem saber em quem. Há, inclusive, uma maldade latente. O que se sente de forma inequívoca, é a animalidade, a bestialidade até de linguagem, o rancor, o ódio, para já não falar no primor de escrita, uma escrita escorreita, sem um único erro ortográfico, gramatical, etc. de alguns comentários, nem vou por aí, mas não será tudo isto assustador?

É óbvio que não fiz uma "análise" exaustiva, nunca poderia ser essa a intenção, mas garanto-vos, o pouco que vi deixou-me inquieta, muito inquieta.

Para onde caminhamos? Que mundo queremos?
E estranhamos a loucura que campeia, um pouco por todo o lado? O "fermento" é servido em doses substanciais, logo...

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Salvador Sobral, a lição!

("carta" a Salvador Sobral)

Querido Salvador.

Vá lá saber-se porquê, hoje tenho pensado imenso em ti, daí o apetecer-me "conversar" contigo.
Sabes? Lembrei-me da tua participação neste programa, o "Ídolos", tinhas 19 anos, recordas-te? Lembrei a tua atitude, a tua postura, o teu "querer", a lição de humildade que destes a muitos, dos jurados a todos nós.


Felicitar-te pelo percurso feito? Não, porque era óbvio! Mostravas, de forma inequívoca,  que fugias à vulgaridade, que eras assim, genuíno, autêntico, isento dessa coisa abominável que é o vedetismo bacoco. Isso é para os medíocres, não para ti.   

Obrigada por não te teres deixado contaminar. Obrigada por teres percorrido este já longo caminho igual a ti próprio: o menino/homem que deve/devia servir  de exemplo a muitos que se julgam os maiores, pobres deles!...

Que gratificante tem sido acompanhar o teu percurso.
Que gratificante saber que AINDA há pessoas como tu.
Que gratificante ver essa pureza, essa forma de estar na vida que te torna diferente, tão diferente da maioria.

Disseste, aquando do concurso, que só querias cantar porque gostavas que as pessoas ficassem felizes quando te ouviam, que gostarias de ser o nosso ídolo.

Por isto, e porque é importante, quero que saibas: és, não só o meu ídolo. És mais, muito mais.
És aquele que é diferente.
És aquele que nos alegra.
És aquele que nos orgulha.
És aquele que nos faz acreditar.  

Por tudo isso, um grande, grande OBRIGADA, Salvador Sobral!

domingo, 31 de dezembro de 2017

Que voto para hoje? Adivinhem, sim?!

Difícil? Muito!...
Que o ano prestes a chegar vos traga tudo de bom, estes são os votos!
Que concretizem projectos e sonhos. Que se realizem enquanto pessoas, que a vida vos sorria.
Não, ser utópico não é o caminho, só que sonhar ajuda, se ajuda. Em última análise ajuda a suportar o insuportável...

Resultado de imagem para passagem de ano
Fonte: Google

... como a imagem abaixo.
Quero, preciso, é urgente que "sonhe" que esta ignomínia vai acabar um dia. Que ninguém, mas NINGUÉM, tenha que se pôr de cócoras para receber a triste moeda, a moeda da nossa vergonha.
E não vale a pena dizer que muitos nem necessitam. E nem vale argumentar que tudo é encenado - quantas vezes se ouve isto? -, não merece mesmo a pena. Porquê? Porque uma sociedade que não tem resposta, uma resposta justa, válida, digna para estas situações, é uma sociedade doente.
Vamos supor que alguns nem necessitam, vamos supor - se bem que não acredite, mas adiante - . mas alguém já parou para pensar? Mais, não quererá colocar-se naquela situação só para vivenciar a realidade? Sentem-se no chão da rua. Estendam a mãozinha a quem passa, experimentem senhores responsáveis, experimentem.
Alguém pensa no que foi o "desfazer" do amor próprio destas pessoas? 

Fonte: Google 

Porque também faço questão de vos deixar uma imagem de beleza neste final de ano, convido-vos a ouvir esta menina.
Para além de uma voz super agradável, é  a imagem da juventude no que tem de mais bonito: vida, leveza, alegria, VIDA, muita vida.
E depois? Bem, depois, tem uma característica rara que faz as minhas delícias: ela canta com o corpo todo, não se limita ao uso das cordas vocais.
Fica o convite.
Ora ouçam/vejam!


Que tal, gostaram?
Não fora um Amigo que por aqui passa e não tinha descoberto esta autêntica "lufada de ar fresco". Um grande obrigada para ti. Decididamente não posso deixar de visitar o teu cantinho.

Uma vez mais, o voto: óptimo 2018 para todos vós!

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Ups! E agora?!...


Antes de mais - por ser o principal, o mais importante - o meu pedido de desculpa, a todos vós, pelo "apagão" que aconteceu por aqui.



E qual foi a causa, interrogar-se-ão. Uma coisa super simples, mas que resultou num desastre.
Passo a explicar.
Numa tentativa de ver, se todos os comentários entrados tinham sido publicados, mexi(?!) numa qualquer opção: "enter", "eliminar", sei lá, não faço ideia, e...? E voilá! Consegui a proeza de apagar todos os comentários dos dois últimos posts publicados. 
Bem! Nem queria acreditar em tamanha "habilidade". É que não foi um, nem dois, foram todos, todinhos.  

Na sequência disto fiz a única coisa lógica, eliminar os posts. Fazia algum sentido mantê-los? Vêr os vossos nomes e os comentários apagados? Nem pensar!

Será que me desculpam? Vá, não sejam mauzinhos!:(

Ah, mas não se perdeu tudo! Se precisarem de uma alminha entendida, mas muito entendida nestas coisas, que seja a maior "especialista" no que à blogosfera diz respeito, já sabem a que porta bater!:(




sexta-feira, 17 de março de 2017

Até já?!

Até já? Até logo? Até amanhã? Que sei eu!




Sei, isso sim, que vos devo, a todos vós, os que ainda têm paciência para vir até aqui, uma palavrinha, e essa palavrinha é simples: decidi fazer uma nova pausa. É que o meu "olhares" anda meio "cego" - andará(?!) - e um "olhar" que não se alimenta, morre, não se justifica, não faz sentido.
Assim...? Assim deixo-vos por um tempo. Quanto? Não sei, não faço ideia.
Desejo-vos, a todos, tudo de bom. Que a vida vá sendo, no mínimo, "simpática", sem grandes oscilações no sentido errado.

Até já?
Até logo?
Até amanhã?
Que sei eu?!...